Encosto de cadeira de rodas curto ou longo?

Encosto de cadeira de rodas curto ou longo? – essa é uma dúvida que muitos cadeirantes têm na hora de comprar uma cadeira de rodas. Muitas pessoas que nem fazem ideia do que é viver sobre uma cadeira adoram dar pitacos e sugerir de imediato o encosto mais alto possível. O que na maioria das vezes é um erro.

Encosto de cadeira de rodas curto ou longo? Qual a melhor escolha?

Se o cadeirante tiver um vida muito ativa, o ideal é uma cadeira com encosto curto. Por quê? Porque isso gera mais agilidade e leveza. Além do mais, uma cadeira assim cabe em qualquer carro com muita facilidade. Mas é válido ressaltar que somente aqueles com bastante equilíbrio de tronco conseguem usar o encosto curto.

Encosto de cadeira de rodas curto ou longo? – Já o cadeirante menos ativos, com menos equilíbrio no tronco geralmente preferem o encosto mais alto. Mas é bom deixar o próprio cadeirante fazer sua escolha. As opiniões de quem anda nada ajudam. Eles pensam sobre pernas e nós pensamos sobre rodas. Simples assim.

Em se tratando de peças para cadeira de rodas ou mesmo de acessórios para a cadeira de rodas, o próprio cadeirante é quem tem que dar a palavra final. Já vi muitas famílias com excesso de zelo avacalharem a vida do cadeirante. Querendo proporcionar conforto e segurança, acabam por causar exatamente o contrário, fazendo-o usar equipamentos completamente inadequados para o seu dia a dia.

Não há nada pior para nós que temos deficiência física do que um equipamento desajustado, com excesso de tamanho ou de peso. Somente aquele que usa é que sabe. O que deveria trazer liberdade e autonomia acaba por nos impedir de ir e vir com conforto e agilidade.

As famílias deveriam entender isso. A maioria entende, mas há algumas que tratam o cadeirante ou o filho que tenha outra deficiência qualquer como se fosse um bibelô de louça.

Enfim, seja sobre o encosto da cadeira de rodas curto ou longo, ou sobre qualquer outra coisa que envolva o deficiente físico, quem deve decidir é ele, o maior interessado no assunto. Eu não abro mão dessa autonomia. E você deve fazer o mesmo. Afinal de contas, independência não se ganha, se conquista!

O que você achou? Deixe seu comentário: