Paralimpíada está ameaçada por falta de verba

Paralimpíada – O governo federal tem receio de que a Paralimpíada sofra um baque por falta de verbas. A decisão da Justiça Federal do Rio, na última sexta-feira, proibindo repasses da União e da prefeitura para o Comitê Rio-2016 intensificou as conversas do Planalto para que as estatais injetem recursos no evento, por meio de cotas de patrocínio. A União também teme ter a imagem arranhada na área social, já que os Jogos Paralímpicos são associados à superação dos atletas e ao respeito a pessoas com deficiência física.

Auxiliares do presidente interino Michel Temer avaliam que a Olimpíada do Rio não corre risco financeiro. A cerimônia de encerramento, por exemplo, tem valores bem mais modestos que os da festa de abertura. Entretanto, a Paralimpíada, que começa em 7 de setembro, pode estar ameaçada por falta de recursos.

— A Paralimpíada tem risco de não ser realizada. Isso se não tiver recursos de empresas estatais e privadas. É um risco que o governo não quer correr — diz um assessor do presidente interino. — O governo está incentivando uma conversa das estatais para viabilizar esses patrocínios. Do cofre do governo federal, dos ministérios, não pode sair nada.

Paralimpíada: Justiça exige transparência para aprovar verba

A juíza federal Marcia Maria Nunes de Barros determinou que a União e a prefeitura do Rio não repassassem verbas ao comitê organizador, até que a entidade dê transparência aos gastos, divulgando-os publicamente e repassando-os ao Ministério Público Federal e ao Tribunal de Contas da União. Segundo a lei, em caso de déficit nas contas do comitê, os governos estadual e municipal devem arcar com o prejuízo. O descumprimento da ordem judicial poderá resultar em multa de R$ 100 mil. Ainda cabe recurso contra a decisão.

Fonte: O Globo

Deixe seu e-mail cadastrado abaixo, fortalecendo assim este Blog na luta pelos direitos das pessoas com deficiência.

Junte-se a nós!

Deixe seu e-mail e receba vídeos e dicas imperdíveis para você ter qualidade de vida!>

O que você achou? Deixe seu comentário: